Preços administrado puxam inflação na RMGV, que fechou 2018 em 4,19%

A Região Metropolitana da Grande Vitória fecha 2018 com uma inflação acumulada de 4,19%, acima da média nacional (3,75%) e puxada, principalmente, pelos preços administrados.



Os produtos e serviços que compõem o IPCA podem ser divididos entre os que têm preços livres, ou seja, que variam de acordo com o mercado, e os que têm preços administrados, que são os preços regulados por contrato ou por órgão público.

    Os preços administrados (6,69%) tiveram uma influência significativa na composição do índice no acumulado do ano, inclusive maior que a variação nacional (6,18%). Os maiores crescimentos vieram do gás veicular (39,52%), gasolina (13,05%) e plano de saúde (11,13%). Os preços livres fecharam o ano de 2018 com um aumento de 3,32%.

A média brasileira do acumulado do ano foi de uma inflação de 3,75%, resultado, pelo segundo ano consecutivo, abaixo do centro da meta (4,5%). O índice ficou acima das expectativas de mercado capturadas pelo Boletim Focus do Banco Central (3,69%).