As perspectivas econômicas para 2020 são destaque no Boletim de Dezembro

O Boletim Econômico Capixaba de dezembro traz como destaque as expectativas de expansão da atividade econômica para o mundo, para o Brasil e para o Espírito Santo no ano de 2020.

As projeções para o PIB mundial variam entre 2,9% a 3,4% em 2020. Espera-se que no próximo ano ocorram medidas de estímulo na China, uma postura mais acomodatícia dos bancos centrais e a retomada gradual da produção industrial na Europa. Mas, esse crescimento poderá ser menor, principalmente, se houver uma escalada das restrições comerciais entre os EUA e a China e a ocorrência do Brexit sem acordo.

Estima-se que o PIB do Brasil cresça em torno de 1,7% a 2,3% no próximo ano. Os principais fatores internos para a expansão econômica no país serão a taxa básica de juros reduzida, estimada em torno de 4,25% a 5,00% até o final de 2020, e a retomada do crédito privado. Para o dólar, projeta-se a taxa de câmbio em torno de R$ 3,95 a R$ 4,10 ao final do período. As projeções do PIB brasileiro também levam em consideração: a melhora na liquidez; a expansão no consumo das famílias; a redução na taxa de desemprego; e a melhora no quadro fiscal do governo federal. 

No entanto, o aprofundamento da crise na Argentina e a não concretização da agenda de reformas anunciadas em 2019 pelo governo federal (emergencial; pacto federativo; fundos públicos; administrativa; e tributária) se configuram como um risco para o desempenho econômico do Brasil em 2020. Observa-se que essa é uma agenda densa, com reformas importantes e complexas, que demandarão muita articulação e compatibilização de interesses difusos. 

Para o Espírito Santo, a LCA Consultores estima um crescimento de 5,2% do PIB em 2020, influenciado pela baixa base de comparação em relação a 2019 e pela recuperação da atividade extrativa. A expansão deste setor será impulsionada pela possível reativação da Samarco que, de acordo como o cronograma anunciado pela empresa, voltará a operar no final do ano que vem. 

Como 2019 ainda não terminou, é preciso acompanhar os principais resultados econômicos do Espírito Santo e do Brasil neste ano. 

Os números do mais recente relatório Focus, do dia 13 de dezembro, trazem a expectativa do mercado por um crescimento de 1,12% do PIB brasileiro em 2019. No primeiro Focus do ano, em 04 de janeiro, a projeção era de crescimento de 2,53% para a economia brasileira. Neste ano, para o Espírito Santo, a LCA consultores estima um PIB próximo a zero.

Apesar da atividade econômica ter evoluído menos do que o esperado, outros indicadores surpreenderam positivamente. A taxa Selic, que no começo do ano era estimada na casa dos 7,00% a.a. para dezembro, terminará 2019 aos 4,50% a.a., com possibilidade de nova redução em 2020.

Boa parte dessa queda da taxa de juros tem a ver com a inflação sob controle durante todo o ano. O IPCA acumulado em 12 meses até novembro registra inflação de 3,27%, com expectativas atuais ajustadas para um encerramento em 3,86%, ainda abaixo do centro da meta para 2019 (4,25%). A Região Metropolitana da Grande Vitória tem IPCA de 2,42% no acumulado em 12 meses até novembro, abaixo do nível nacional.

O volume de vendas cresceu 3,8% no Brasil e 6,0% no Espírito Santo, considerando o acumulado em 12 meses até outubro. Nessa mesma base de comparação, o volume de serviços aumentou 0,8% nacionalmente e ficou estagnado no estado. Já a produção física da indústria nacional regrediu -1,3%, enquanto a capixaba teve resultado de  -11,2%, comparado ao mesmo período de 2018.

O mercado de crédito continua em crescimento em 2019, com a carteira total para o país somando R$ 3,37 trilhões em outubro, o que representa alta de 6,3% em comparação ao mesmo mês do ano anterior. Para o Espírito Santo, o saldo de crédito total somou R$ 51,7 bilhões, acima do crescimento brasileiro e, ao contrário do que ocorre no país, com evolução bem distribuída no crédito para pessoas físicas (8,4%) e para pessoas jurídicas (7,2%).

A corrente de comércio exterior brasileiro perdeu volume, mas mantém a balança comercial superavitária até novembro, em US$ 41,1 bilhões. Para o Espírito Santo a balança comercial acumula superávit US$ de 2,5 bilhões, com US$ 8,2 bilhões exportados e US$ 5,7 bilhões importados, evoluções de 2,7% e 23,0%, respectivamente, na comparação com o acumulado até novembro de 2018.

No campo das finanças públicas o Governo do Estado caminha para concluir 2019 com receitas acima do previsto na Lei Orçamentária. A arrecadação até o fim de novembro chegou a R$ 17,6 bilhões, representando 99,2% dos R$ 17,7 bilhões estimados inicialmente, e um crescimento de 12,3% em relação ao mesmo período de 2018. No caso das despesas, o total liquidado até o 11º mês deste ano foi de R$ 12,8 bilhões. Os investimentos públicos estaduais realizados até novembro chegaram a R$ 650 milhões, melhor resultado para o período nos últimos cinco anos.

    O Boletim Econômico Capixaba é uma publicação mensal do Ideies sobre a conjuntura econômica do Espírito Santo e do Brasil. Além das seções fixas sobre temáticas conjunturais, todos os meses são trazidos um assunto em destaque ou um texto de um especialista convidado.

Confira a íntegra do Boletim de dezembro com as análises sobre cenário econômico, mercado de trabalho, desempenho industrial, comércio exterior, crédito e finanças públicas clicando aqui (PDF).

Confira todos os gráficos e tabelas desta edição do Boletim clicando aqui (Excel).