Produção industrial capixaba recua 8,1% em outubro de 2019

O Espírito Santo foi a região que apresentou o maior recuo (-8,1%) na produção industrial entre os quinze locais pesquisados na passagem de setembro para outubro de 2019, na série com ajuste sazonal. 

No país, a produção industrial de outubro registrou crescimento de +0,8% em relação ao mês anterior, sendo o terceiro mês consecutivo de resultados positivos. Entre os ramos industriais pesquisados, 14 dos 26 apresentaram aumento na produção industrial mensal. Na comparação com outubro do ano anterior, a produção industrial nacional cresceu 1,0%, com influência positiva das atividades de produtos alimentícios, coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, veículos automotores, reboques e carrocerias, máquinas, aparelhos e materiais elétricos, produtos de metal. Cabe ressaltar que o mês de outubro de 2019 teve um dia útil a mais do que o mesmo mês do ano anterior.


Para o Espírito Santo, os setores de minerais não-metálicos (+0,7%) e de alimentos (+3,8%) apresentaram variação positiva da produção na série ajustada, ao passo que as indústrias extrativa (-11,7%), celulose, papel e produtos de papel (-2,8%) e metalurgia (-7,9%) observaram resultados negativos na passagem de setembro para outubro de 2019.

Quando se compara a produção física industrial de outubro de 2019 com o mesmo mês do ano anterior, a queda de 22,5% na produção industrial capixaba é puxada, principalmente, pelas reduções observadas nas indústrias extrativa (-27,6%), celulose, papel e produtos de papel (-44,9%) e metalurgia (-22,7%). No acumulado entre janeiro e outubro, o Espírito Santo também apresentou a maior queda (-14,0%) entre as quinze regiões pesquisadas.

    O recuo da produção industrial capixaba em todas as bases de comparação, já passados dez meses de 2019, revela um quadro desafiador para a indústria do Espírito Santo em 2020.


A Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF Regional) referente ao mês de outubro de 2019 foi divulgada nesta terça-feira, 10 de dezembro, pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE).