Ambiente de negócios e gestão pública: ferramentas que auxiliam nas decisões e nas estratégias de investimento

25 de Nov

O quão importante seria uma ferramenta que auxiliasse os empresários e os cidadãos a entender as condições oferecidas pelas localidades? Ou seja, uma ferramenta que te ajudasse a decidir onde investir, onde morar ou onde estudar, e mais, uma ferramenta que também pudesse ser útil ao gestor público na definição de prioridades de políticas públicas?

Já existem algumas ferramentas que podem ajudar nestes importantes desafios, pautando a atuação dos líderes públicos e empreendedores na melhoria da competitividade local e na tomada de decisão para investir. Buscam também garantir a sociedade um acompanhamento dos principais indicadores que podem impactar o desenvolvimento socioeconômico. 

Uma destas ferramentas é o Ranking de Competitividade dos Estados, desenvolvido pelo CLP – Liderança Pública¹, que tem por objetivo alcançar um entendimento mais profundo e abrangente sobre os estados brasileiros, identificando pontos de melhoria e definindo os focos de atuação dos governos estaduais.

O Espírito Santo foi o 6º estado mais competitivo do país e o 2º com melhor solidez fiscal, de acordo com os dados do ranking divulgados em outubro de 2019. Este último quesito é definido como a capacidade de o governo administrar as contas públicas. Isto é, uma boa gestão permite, por exemplo, diminuir endividamento, atrair investidores e oferecer melhores serviços públicos.

O estado apresentou boa evolução nas categorias de potencial de mercado, infraestrutura e segurança pública. No entanto, o estado não avançou mais pois perdeu sete posições em capital humano e oito em inovação.

Nesse último quesito o Espírito Santo apresentou o quarto pior resultado entre as unidades da federação, posicionando-se abaixo dos estados da região sudeste e da média nacional, em grande parte devido ao indicador de número de bolsas científicas concedidas, no qual assumiu o 25º lugar entre os estados brasileiros. O resultado em inovação reforça a necessidade do fortalecimento da Mobilização Capixaba pela Inovação (MCI), que tem como missão aproximar o setor produtivo da comunidade científica em permanente busca por novos negócios e oportunidades de crescimento².  

No Ranking de Competitividade são analisados 69 indicadores em 10 grandes áreas: Capital Humano, Educação, Eficiência da Máquina Pública, Infraestrutura, Inovação, Potencial de Mercado, Segurança Pública, Solidez Fiscal, Sustentabilidade Social e Sustentabilidade Ambiental. Além de indicadores financeiros e econômicos, o Ranking de Competitividade analisa os de infraestrutura e de desenvolvimento ambiental e social, pois estes também estimulam a competitividade.

O debate acerca de melhoria de ambiente de negócios também perpassa pelas cidades, uma vez que elas podem ter um papel relevante no combate à desburocratização, na melhoria da infraestrutura, no aumento da qualidade dos serviços de saúde e de educação e no estímulo a inovação, afinal de contas é dentro das cidades que os negócios acontecem.

Inspirado no Ranking de Competitividade dos Estados e em outras metodologias com este objetivo³, o Ideies/Findes criou o Indicador de Ambiente de Negócios (IAN), ferramenta que ajudará a entender a situação do ambiente de negócio de cada município do Espírito Santo.

O IAN será lançado no próximo dia 27, na 8ª Edição do Congresso Gestão das Cidades, realizado pela Associação dos Municípios do Espírito Santo (Amunes), com o objetivo de contribuir para o aprimoramento das administrações municipais, com troca de experiências, informações e conhecimentos entre os gestores públicos municipais.

O IAN foi construído com base em 39 indicadores e organizado em 4 eixos: infraestrutura, potencial de mercado, capital humano e gestão fiscal. Por meio de um portal interativo, será possível fazer um diagnóstico municipal para os avanços necessários ao desenvolvimento do estado em nível regional.

Além de ser um instrumento para dar base na construção de políticas públicas para o gestor municipal, o IAN contribuirá para a formação de estratégias de localização de novos empreendimentos para os empresários e será uma fonte de informação para a sociedade civil entender a realidade local.

¹ Fundado em 2008, o CLP é uma organização social que tem como objetivo transformar o Brasil, desenvolvendo líderes públicos e mobilizando a sociedade em causas estruturais para um Estado melhor.

² O Findeslab também está inserido em um esforço coletivo para amadurecimento do ecossistema de inovação do Espírito Santo e avançou em 2019 na construção de parcerias entre o setor produtivo, a academia e o Governo do Estado.

³ Por exemplo o Índice de Cidades Empreendedoras, da Endeavor, o Ranking Connected Smart Cities, da Urban System e o Doing Business, do Banco Mundial.